Neil Gaiman

•03/10/2012 • Deixe um comentário

Have you ever been in love? Horrible isn’t it? It makes you so vulnerable. It opens your chest and it opens up your heart and it means that someone can get inside you and mess you up. You build up all these defenses, you build up a whole suit of armor, so that nothing can hurt you, then one stupid person, no different from any other stupid person, wanders into your stupid life…You give them a piece of you. They didn’t ask for it. They did something dumb one day, like kiss you or smile at you, and then your life isn’t your own anymore. Love takes hostages. It gets inside you. It eats you out and leaves you crying in the darkness, so simple a phrase like ‘maybe we should be just friends’ turns into a glass splinter working its way into your heart. It hurts. Not just in the imagination. Not just in the mind. It’s a soul-hurt, a real gets-inside-you-and-rips-you-apart pain. I hate love.

Misturas Explosivas

•28/09/2012 • 1 Comentário

Joseph Turner – Snow Storm-Steam-Boat off a Harbour’s Mouth (1842)

Trent Parke

•11/09/2012 • Deixe um comentário

Trent Parke

Spot Underwear

•09/09/2012 • 2 Comentários

Spot Underwear with Letta Loof from Nathalia Vernizzi on Vimeo.

Shot in 35mm with ARRI III – 32 fps – Zeiss 2.1

Reference: Armani Underwear with Megan Fox Ad

Se tudo der errado leia Clarice

•01/08/2012 • 1 Comentário

Contos que te fazem sorrir e te falam diretamente à alma.

Tenho medo de ligar a televisão, como quem entra no metrô à hora de ponta, e de que por descuido ou por maldade alguém me pise a inteligência: “desculpe, sim?!, foi sem querer”. Ligo o aparelho, encolhido no meu canto, fingindo que nem estou ali, mas se por acaso os meus olhos tropeçam nalgum sujeito com aspecto de bárbaro, saio logo.
A seguir fecho os olhos e sonho um peixe. Foi um velho pescador pernambucano quem me ensinou isto. Eu estava sentado nas areias de Itamaracá, com um bloco de papel nos joelhos, concluindo uma aguarela. Ele veio por trás e ficou um momento observando:

_ Por que faz isso? – perguntou. _O mar não cabe aí!

Sentou-se ao meu lado. Disse-me que às vezes, ao acordar, lhe doía, do lado esquerdo do peito, a humanidade. Caminhava então até à praia, estendia-se de costas na areia, e sonhava um peixe.

_ Foi Clarice, sabe? Ela me iniciou.

Na altura não compreendi a quem o velho se referia. Começou por sonhar peixes pequenos, muito rudimentares, só um veloz traço de prata, só uma ligeira vírgula refulgindo no ar, mas com o tempo, à medida que desenvolvia a técnica, passou a sonhar garoupas, meros, inclusive espadartes. A ambição dele era sonhar uma baleia.
Uma baleia azul.

_Esteja atento à cor das águas – preveniu-me. _Por exemplo, de manhã, bemcedinho, se o mar estiver liso e prateado, é bom para sonhar savelhas. O camarupim, que é um peixe nosso, grande, se sonha muito bem depois que chove, e os rios anoitecem o mar. Já os xaréus são melhor sonhados quando o mar azula.

E as sereias? Ele olhou-me atônito:
_Sereias?! Servem para quê, as sereias? Sereias são bichos mal sonhados, como os ornitorrincos ou os generais. Você há de conseguir fazer melhor.

Venho tentando. Nunca soube o nome do pescador. Era um sujeito alto, aprumado como um poste, de olhos acesos e uma pele sadia, bem esticada sobre os ossos. Tinha uma voz tão clara e calorosa que, à noite, enquanto falava, era como se cuspisse pirilampos. Uma voz daquelas devia poder transmitir-se em testamento. A mim fazia-me lembrar a do Fernando Alves. Contava-se na ilha que o velho estivera três semanas perdido no mar. Salvara-se por milagre, porque ao décimo terceiro dia Nossa
Senhora Aparecida lhe apareceu no saveiro, trazendo nas mãos um pernil de porco e uma garrafa de litro de Coca-Cola. Ele próprio me desmentiu o milagre, até um pouco irritado:

_Nossa Senhora Aparecida?! Qual Nossa Senhora, rapaz?! Quem me apareceu foi Clarice Lispector!…

Em todas as estórias de pescadores há sempre exageros, por vezes até mentiras descaradas, ou não seriam estórias de pescadores. Neste ponto, porém, sou peremptório
– uso esta palavra pela primeira vez na vida; não vêem que reluz? – ele lia! Era um grande devoto de Clarice Lispector e Alberto Caeiro. Contou-me que Clarice apareceu-lhe de madrugada, trazendo nas mãos Uma Maçã no Escuro, e lhe leu o romance inteiro.
A seguir, depois que o achou mais recomposto, ensinou-o a sonhar peixes.

_Sonhar peixes faz bem à alma. Lembre-se que por cada homem mau no mundo há no mar mil peixes bons.

O meu pescador não tinha televisão. Às vezes acontecia demorar-se num bar, ou na praça (havia uma televisão na praça), e o fragor das guerras alheias roubava-lhe o sono. Ele sofria com os erros dos outros. Andava pela ilha com A Hora da Estrela debaixo do braço, tentando, sem sucesso, converter os demais. Só eu lhe dava atenção:

_Se nada mais der certo leia Clarice.

Uma tarde vi-o sonhar um golfinho.
_Foi o meu primeiro mamífero – disse-me depois, exausto pelo esforço –, para a semana vou tentar uma orca.

Nunca mais voltei a Itamaracá, nunca mais o vi, mas calculo que por esta altura ele já tenha conseguido sonhar a sua baleia azul. Já a deve ter lançado ao mar, cento e trinta toneladas de puro sonho, e o canto dela há de estar ressoando nas águas. Um dia as baleias virão para salvar os homens.

AGUALUSA, José Eduardo. Manual Prático de Levitação. Rio de Janeiro: Gryphus,
2005, p. 63-67.

LACUNA INC

•03/01/2012 • Deixe um comentário

…How happy is the blameless vestal’s lot!

The world forgetting, by the world forgot.

Eternal sunshine of the spotless mind!

Each pray’r accepted and each wish resign’d…

(Eloisa to Abelard – Alexander Pope)

A certeza…

•03/01/2012 • Deixe um comentário

…de que tudo tem seu tempo